Não temos como esconder que somos apaixonados pela natureza. Adoramos ficar dias isolados do mundo civilizado, sem qualquer forma de comunicação, sentindo somente a presença da vida selvagem ao nosso redor.

E não há lugar mais indicado para isto do que a Patagônia.

A Patagônia argentina e chilena guarda uma das terras mais implacáveis e inóspitas do planeta. Pra qualquer lado que se anda, sejam por estradas pavimentadas ou pelas famosas estradas de rípio, o movimento de carros e pessoas praticamente inexiste. Você pode parar o carro e acampar por semanas, que poucos perceberão a sua presença.

Por causa desta característica, a Patagônia funciona como um imã para diversas espécies que migram, constantemente, de um lugar para o outro. E foi isto o que aconteceu com esta pequena colônia de Pinguins-Rei.

Precisamente no ano de 2010, um pastor de ovelhas da Bahía Inútil, na Terra do Fogo Chilena, percebeu que um grupo de Pinguins-Rei havia feito uma parada na encosta da região. Por dias, observou com reservas o movimento destas simpáticas aves.

Visto que elas não abandonaram a região, comunicou os órgãos ambientais responsáveis e, a partir de então, dezenas de especialistas se mobilizaram para proteger e estudar o comportamento desta colônia de aproximadamente 90 Pinguins-Rei.

No ano seguinte, em 2011, a antiga fazenda de ovelhas se reestruturou e abriu as portas para receber os primeiros visitantes. Mas, por que esta colônia é tão importante assim? Simples. Trata-se da única colônia continental dos Pinguins-Rei fora da Antártida. Acostumados a viverem em temperaturas de até 50° C negativos, raramente esta espécie foi vista em ilhas do continente sul-americano, normalmente em dois, ou no máximo três exemplares.

Então, por que estes quase 100 Pinguins-Rei foram parar nas encostas da Bahía Inútil? Pouco se sabe ainda sobre os motivos reais que os levaram a abandonar “em massa” a Antártida e buscarem outro lugar para se reproduzirem.

E assim foi. No ano de 2013, nasceu o primeiro filhote de Pinguim-Rei dentro da área de proteção, um feito muito comemorado pelos biólogos que os estudavam. Nos anos seguintes, outros filhotes nasceram e a colônia se fortaleceu ainda mais.

Foi por acaso que ouvimos falar sobre o Parque Pinguino Rey. Um amigo brasileiro que conhecemos na Península Valdés, mas que atualmente mora em Puerto Madryn, nos falou de relance sobre este lugar remoto na Terra do Fogo. Pesquisamos um pouco mais, descobrimos a localização do parque e decidimos desviar a nossa rota.

O Parque Pinguino Rey se localiza no caminho para a desconhecida vila de Camerón, na chamada Bahía Inútil, na Terra do Fogo. Quando chegamos, já se passava das 18h e o parque já estava fechado. Buscamos um lugar para acampar e passamos uma das noites mais incríveis da viagem. Raposas por todos os lados, um céu perfeitamente estrelado e uma ventania sem precedentes.

O dia amanheceu e logo partimos para conhecer estes simpáticos pinguins. O parque é pequenino, com pouquíssima estrutura, mas o maior prêmio estava logo à frente. Dezenas de Pinguins-Rei, de até um metro de altura, brincando como crianças uns com os outros.

Não sabíamos se fotografávamos ou se caíamos na gargalhada de tão engraçados que são. No meio de uma caminhada matinal, eles começavam, se mais nem menos, a esbofetear uns aos outros e, poucos segundos depois, voltavam a caminhar tranquilamente e a se esbofetear novamente! Esta rotina seguia até que eles se jogavam dentro d’água à procura de fartos peixes. Nunca antes em nossas vidas havíamos presenciado um comportamento tão diferente e engraçado de uma espécie. Algum dia ainda iremos descobrir o motivo de tantos tabefes e postaremos por aqui.

Algumas horas se passaram e precisávamos nos despedir dos incríveis Pinguins-Rei. Como nos sentíamos felizes por termos desviado a nossa rota, sentido à Bahía Inútil. Talvez algum dia não a chamem mais desta forma, pois, agora, ela é tão útil como nunca fora antes.

 

Dicas para quem vai visitar o Parque Pinguino Rey

  • Se você está partindo de Ushuaia, o melhor caminho para chegar ao Parque Pinguino é pegar a estrada sentido Camerón poucos quilômetros depois do Paso San Sebastián.
  • Todo a estrada é de rípio.
  • O parque abre somente às 11h da manhã e fecha às 18h.
  • A entrada no parque custa em torno de 12.000 pesos chilenos por pessoa.
  • É possível acampar em uma área próxima ao parque, contudo não há qualquer estrutura de banheiros ou água disponível.
  • A época ideal para conhecer os Pinguins-Rei é de novembro a fevereiro.
  • Separe umas 2h para esta visita. Já será suficiente.
  • Se quiser fotografar nitidamente os pinguins, leve uma lente de aproximação (supertele), pois os mirantes ficam um pouco distantes deles.
  • Uma boa ideia é levar um binóculo, para poder observá-los bem de perto.
  • O horário ideal para fotografá-los é pela manhã, quando terá uma luz favorável.
  • Leve lanches e água, pois não há nada à venda no parque ou redondezas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here