Todos os dias, de uns 10 anos para cá, ouvimos ou lemos algo relativo ao aquecimento global. Existem diversas teorias que explicam o aquecimento e outras que, polêmicas ou não, refutam veementemente esta possibilidade. A mais conhecida delas, a do Efeito Estufa, afirma que a emissão de gases poluentes impedem a saída do calor da superfície da terra. Resultado: a cada ano, o calor bate recordes em todos os cantos do mundo, mesmo nas estações em que o frio é quem deveria estar no comando.

Corretas ou não, polêmicas ou não, o certo é que nitidamente as camadas de gelo estão se reduzindo consideravelmente a cada ano, especialmente nas regiões polares. E é ai que entra o Campo de Gelo Sul, o terceiro maior aglomerado de gelo do mundo, atrás somente da Antártida e do Pólo Norte.

Glaciar Perito Moreno

Por incrível que pareça, o Campo de Gelo Sul tem apresentado uma redução menor que os demais aglomerados de gelo pelo mundo, inclusive com certos glaciares que têm mantido o seu tamanho ao longo dos anos, dentre eles o famoso Perito Moreno. Este fato muito intrigou os cientistas e tornou a região um imenso laboratório de estudos das mudanças climáticas.

A porta de entrada para o Campo de Gelo Sul é El Calafate, na Argentina. A simpática cidadezinha, de pouco mais de 20 mil habitantes, tem uma estrutura invejável de turismo. Imensos hotéis, restaurantes sofisticados e passeios para todos os gostos tornam El Calafate um dos destinos mais aclamados do país.

Margeada pelo belíssimo Lago Argentino, de águas incrivelmente esverdeadas, El Calafate é um destino extremamente agradável, além de ser a base para quem busca explorar o Parque Nacional Los Glaciares, o que seria o nosso caso.

Quando a nossa viagem de volta ao mundo começou, estabelecemos uma regra entre nós dois: de tempos em tempos, buscaremos dar uma pausa na viagem, relaxar um pouco e diminuir o ritmo da estrada, que é sempre muito intenso. E assim fizemos. Depois de quatro dias fantásticos e exaustivos no Parque Torres del Paine, no Chile, decidimos parar por alguns dias em El Calafate. Os quase sete dias que por lá estivemos foram indescritíveis.

A Capital Sulamericana dos Glaciares, como é conhecida, nos acolheu tão bem que o tempo passou num piscar de olhos. Todos os dias, religiosamente, saíamos para tomar um sorvetinho artesanal fabricado na própria cidade. Não nos lembrávamos de tomar um sorvete tão bom há muitos anos e levar uma vida “normal” depois de mais de dois meses viajando sem parar por um dia sequer.

Parque Nacional Los Glaciares

Mas o grande momento na região estava reservado para o Parque Nacional Los Glaciares. Foi lá que nos aproximamos de um gigante de gelo: o Glaciar Perito Moreno e seus paredões de mais de 70 metros de altura. Contemplar toda aquela imensidão e imaginar que o seu futuro está sob forte risco nos aflorou um conjunto de sentimentos. Nos sentíamos tão felizes por estarmos ali, de frente para um dos maiores glaciares do campo, mas ao mesmo tempo angustiados pela triste e dura realidade. Olhávamos para ele como se desejássemos perguntar: “Será que nossos filhos, netos ou bisnetos poderão te admirar da mesma forma que agora te admiramos?”. Dava um nó na garganta só de pensar nisto, mas não havia como enganar os nossos pensamentos.

Camadas se desprendendo do Glaciar Perito Moreno

O que será do Campo de Gelo Sul? Quais serão as consequências de sua diminuição para a região e para o mundo?

Certo dia, lendo um artigo sobre esta parte do continente, descobrimos que é lá que se encontra a principal reserva de água doce de toda a Patagônia! Um tesouro que pode estar com seus dias contados. Quanto mais explorávamos e estudávamos os glaciares mais nos apaixonávamos por eles e por sua cor azul tão característica.

A linda cor azul do gelo

Os raios de sol refletiam no campo de gelo, como se um belo diamante brilhasse para nós. Bem à nossa frente, por vários dias, estava a maior riqueza que qualquer Homem poderia almejar. Que pena que tantos ainda não a enxergaram.

Dicas para quem vai visitar El Calafate

  • El Calafate é a principal cidade para quem deseja conhecer o Parque Los Glaciares.
  • A cidade tem ótimas opções de hotéis/hostels, restaurantes e campings.
  • O Parque Los Glaciares fica a cerca de 80 km de El Calafate e todo dia partem inúmeros passeios em direção ao parque.
  • Se deseja caminhar sobre o campo de gelo, os chamados Mini-trekking ou Big-ice, o ideal é reservar com antecedência e preparar o bolso, pois os passeios são bem caros.
  • Um outro glaciar muito lindo para se visitar é o Upsala, o terceiro maior glaciar da América do Sul, e um dos que mais estão sofrendo com o aumento das temperaturas.
  • Dentro do parque não há campings, contudo em certos pontos é permitido fazer Wild Camping.
  • Se quiser se aproximar bem perto do Glaciar Perito Moreno, uma boa opção é realizar o passeio de barco que parte do Parque Los Glaciares.
  • Reserve algo como 2 horas para caminhar pelas passarelas que nos levam ao Glaciar Perito Moreno.
  • As passarelas têm ótima estrutura, inclusive com serviço de elevador para as pessoas idosas ou portadores de necessidades especiais.
  • Mesmo no verão, não deixe de levar boas roupas de frio, pois as noites costumam ser bem geladas.
  • Se for a El Calafate, não deixe de experimentar o sorvete da Las Ovejitas, o melhor que tomamos em muitos anos.
  • Se estiver com o dinheiro curto, uma boa opção é lanchar no Green Market Patagonia, a lanchonete com o melhor custo/benefício que encontramos na cidade. As saladas, empanadas e outras guloseimas são muito gostosas, saudáveis e muito bem preparadas.

2 COMENTÁRIOS

  1. Olha eu aqui novamente,
    Uma rápida pergunta: Vocês disseram que o BIG-ICE custa caro. Mas quanto? E a reserva pode ser feita lá em El Calafate, um dia antes?
    Abraço pessoal.
    Fabrício.

    • Olá, amigo Fabrício, tudo bem?
      É sempre um prazer receber as suas dúvidas no Terra Adentro! 🙂
      Então, me recordo que, quando fomos avaliar a possibilidade do Big Ice, não haviam mais vagas para os dias que estaríamos em El Calafate.
      Me parece que é um programa muito requisitado, especialmente viajando na alta temporada.
      Acredito que todo o passeio deve custar algo como R$1.000 a R$1.200 por pessoa, mas depende de agência pra agência.
      Aproveitem muito da Patagônia, Fabrício! 🙂
      Um forte abraço dos amigos,
      Henrique e Sabrina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here