Um dos maiores encantos de toda viagem são aqueles momentos mágicos que vivemos, os quais lembramos por anos a fio como se passara a poucos dias atrás. Certo dia, eu, Henrique, estava recordando algumas das incríveis viagens que fizera com meus pais em minha infância. Não que os destinos fossem lugares de outro mundo, pelo contrário, mas algumas passagens nunca mais me esqueci, permanecem tão vivas quanto a nossa volta ao mundo de carro.

Fim do dia às margens do Lago Pehoe

 

E foi este sentimento, de tamanho preenchimento e satisfação de nosso interior, que vivenciamos no Parque Nacional Torres del Paine, no Chile, com preciosas recordações, como às de infância, que nunca mais esqueceremos. Permanecerão intensas até quando pudermos delas recordarem.

A primeira vez que estivemos no Parque Torres del Paine levamos um grande choque de emoções. Toda hora nos questionávamos: “será que isto realmente é de verdade?” ou “estamos realmente aqui ou tudo isto é um desenho de nossas mentes sobre o paraíso?”. Deixamos o parque com o sentimento de que em breve retornaríamos para explorá-lo ainda mais. E voltamos!

Os quatro dias e três noites que passamos no parque nos mostraram uma natureza perfeita, em harmonia e em pleno equilíbrio.

Fomos para Torres del Paine com o objetivo de realizarmos o circuito W, o mais famoso trekking pela cordilheira do parque. Contudo, uma mudança de regra, que desconhecíamos até então, nos pegou com as calças na mão. A partir de 2016, somente aqueles que reservarem os campings ou os refúgios pelo caminho, que poderão concluir todo o circuito. Tentamos de todas as formas reservar de última hora, mas já era tarde, não haviam mais vagas. Uma certa frustração bateu sobre nós! Mal sabíamos o que nos esperava e como a natureza seria tão generosa conosco durante estes três dias.

Com o circuito W descartado, começamos a planejar os nossos destinos dentro do parque. Fizemos algumas pequenas trilhas, de curta duração, e nos emocionamos com o trekking do Mirador del Paine e a incrível paisagem perante às imensas e imponentes Torres, que dão nome ao parque. A laguna que fica aos seus pés é de uma beleza indescritível, um deleite para aqueles que se aventuram por uma trilha pesada e de alto desnível altimétrico por cerca de 20 km, ou algo como 8 horas de caminhada.

Ficamos por horas contemplando esta “miragem”, pois, nosso corpo cansado, se recusava a deixar este lugar! Gostaríamos de ficar bem ali por dias e mais dias, mas o frio do fim da tarde nos impelia de cumprir nosso desejo. Era hora de descer todo o caminho e reencontrar o Mochileiro para um jantar especial e uma boa noite de sono.

A sensação de chegar à base das Torres é indescritível

 

Recordo de cada instante em Torres del Paine como se minha mente tivesse construído um filme, composto de vários quadros como os rolos de películas dos cinemas antigos. Um certo momento, no meio da tarde, paramos em um mirante, que tinha uma vista surpreendente e, alguns minutos depois, uma van estacionou e os poucos turistas que lá estavam não paravam de suspirar e exclamar a empolgação por estarem ali, presenciando um cenário simplesmente inacreditável.

E, desta forma, foram os nossos dias em Torres del Paine. Acordávamos cedo e dormíamos bem tarde! Esperávamos os primeiros e os últimos raios de sol, que findavam depois das onze horas da noite. Nossa, como foram dias intensos! Parávamos o carro e não cansávamos de fotografar, filmar e, principalmente, admirar.

Num destes fins de tarde, presenciamos o pôr do sol mais lindo e  surreal de nossas vidas. Cores em tons vermelhos e alaranjados por todos os cantos, iluminando magicamente a Cordilheira Paine e os belíssimos Cuernos del Paine. Ficamos do alto de uma montanha até as dez horas da noite fotografando, enquanto o nosso jantar esfriava dentro do Mochileiro. Olhávamos um para o outro como se bem disséssemos: “vamos jantar pra quê?”. Não perderíamos por motivo algum estes poucos minutos que por lá estivemos.

Os dias se passaram ao lado de lagos incríveis, em tons verde claro, médio, escuro, em diversos tons de azul e na companhia das magníficas torres, formações rochosas únicas no mundo. Impressionante como a natureza pôde esculpir tantas belezas e colocá-las tudo no mesmo lugar. Foi assim que nos sentimos em Torres del Paine!

Laguna Azul

 

Voltamos para a estrada, contudo ela não mais nos reconheceu. Éramos pessoas novas, completas e ricas de uma experiência sem precedentes. A viagem começava a fazer sentido para nós, pois, agora, entendíamos profundamente os seus propósitos.

 

Assista ao vídeo que fizemos em Torres del Paine e inscreva-se em nosso canal:

Dicas para quem vai visitar o Parque Torres del Paine:

  • Para realizar os circuitos O ou W é obrigatório efetuar a reserva antecipada dos campings ou refúgios pelo caminho. Caso contrário, terá que optar por trekkings mais curtos e que retornem no mesmo dia.
  • A reserva é feita pelo site www.parquetorresdelpaine.cl
  • O trekking até o Mirador del Paine é o mais famoso do parque e tem uma duração de 8 horas, aproximadamente. Leve um bom lanchinho e não se preocupe tanto com água, pois há bastante disponibilidade pelo caminho.
  • Aproveite para começar este trekking mais cedo e curtir o dia todo aos pés das torres e ao lado do belíssimo lago de águas esverdeadas. Além disso, pela manhã e começo da tarde, a luz é bem favorável para fotografar este incrível cenário.
  • As estradas que cortam o parque te levam a diversos destinos dentro de Torres del Paine, como o Lago Pehoe, a Laguna Azul e o Lago Grey.
  • Para quem não vai se aventurar pelo circuito O ou W, existem 2 campings possíveis para passar a noite. O melhor e mais estruturado deles é o Camping Pehoe, às margens do lago de mesmo nome. O outro, o Las Torres, costuma ser muito cheio e a estrutura é mais antiga e precária.
  • Uma outra opção, se você pode dormir em seu carro, é pernoitar em áreas permitidas dentro do parque e evitar gastos desnecessários com campings.
  • Em ambos os campings, o Pehoe e o Las Torres, pudemos tomar um bom banho quente gratuito.
  • Mesmo no verão, prepare sua roupa de frio e um bom saco de dormir, pois as noites costumam ser bem frias.
  • Existem algumas pousadas/refúgios dentro do parque onde você poderá se alojar, contudo os preços são bem altos.
  • A melhor época para viajar ao Parque Torres del Paine é de outubro a março, período em que as trilhas estão abertas e há pouco risco de ocorrerem nevascas por lá.
  • O valor da entrada em Torres del Paine é bem caro (algo como 21 mil pesos chilenos por pessoa) e, caso você saia do parque, poderá usar o ticket nos próximos três dias.
  • A cidade base para o parque é Puerto Natales. Por lá, você poderá comprar mantimentos, pernoitar e repor as energias gastas nas trilhas em Torres del Paine.
  • Não deixe de visitar a Laguna Azul. De lá, terá a melhor vista terrestre para as famosas torres do parque.
  • O pôr do sol às margens do Lago Pehoe é imperdível.

2 COMENTÁRIOS

  1. Olá pessoal, tudo bem?
    Curiosamente eu fiz o contrário de vocês em Torres del Paine. Fiz apenas o W e quero muito voltar para explorar esta parte dos mirantes. Eu também gosto muito de fotografia e queria ficar uns 4 ou 5 dias dentro do parque fotografando e fiquei curioso com esta possibilidade de dormir no carro em áreas permitidas. Eu não sabia que existe isso. Os lugares são fáceis de achar? Tem informação disso em algum site? Eu tinha comentado com vocês no Facebook que eu queria ficar 23 dias na Carretera Austral mas estou cogitando ficar uns 17 por lá e uns 5 em Torres del Paine, acho que assim mato 2 coelhos com uma paulada só.
    Abraços,
    Helder Ribeir

    • Olá Helder, tudo bem?
      É um prazer receber o seu comentário no Terra Adentro!
      Torres del Paine é um destino realmente incrível! Podemos voltar inúmeras vezes, que sempre encontramos um cantinho especial por lá!
      Então, sobre o pernoite dentro do parque, eles permitem que você durma dentro do seu carro/motorhome nas áreas que possuem banheiros públicos. Acredito que são 3 áreas dentro do parque, mas poderá se informar melhor. Já no caso de acampar com barraca, eles permitem que você durma somente nos campings autorizados.
      Nós dormimos todas as noites nestes lugares permitidos e, desta forma, não tivemos que pagar nenhuma taxa!
      Qualquer dúvida é só nos escrever, Helder!
      Abraços dos amigos,
      Henrique e Sabrina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here