Sem dúvida alguma, fotografar pessoas ao natural, de forma espontânea, é uma das tarefas mais difíceis da fotografia.

Muitas vezes a oportunidade aparece e, em poucos segundos, vai embora da mesma forma que veio. Em um piscar de olhos, uma cena que nunca mais se repetirá perante nós, simplesmente desaparece.

Dona Maria, que com seus 83 anos, ainda continua sendo uma valente pastora de ovelhas.

Mas, como todo trabalho árduo e desafiador, o resultado final pode ser, muitas vezes, surpreendente e extremamente gratificante!

Quais estratégias usamos para conseguir estes registros?

Toda e qualquer fotografia que envolva ambientes que não podemos controlar e dirigir, pode ser considerada complexa. Para tornar um ambiente mais controlado e previsível, primeiro você deve conhecê-lo e se tornar íntimo dele.

Ficamos um bom tempo em contato com estes garotos, para somente depois pedirmos a autorização para fotografá-los. Foi difícil nos entendermos, pois eles falavam somente Quechua, umas das línguas mais comuns nas regiões andinas do Peru. Sorte que a mãe deles os acompanhava e entendia algumas palavras em espanhol.

E é partindo desta ideia, que construímos nossas fotografias de pessoas ao natural. Primeiro, nos aproximamos delas, quebramos a barreira do contato inicial, conversamos por horas, se for preciso, para, então, pedir a autorização para fotografá-las.

Jamais se deve fotografar uma pessoa sem a sua autorização, mesmo que ela não entenda o que está acontecendo.

Em todos os casos que mostramos aqui, da simpática Dona Maria, dos curiosos garotos que cuidavam das alpacas e da amável menina que separava atentamente as sementes de sua melancia, seguimos este protocolo, para, então, começar a fotografá-los.

A meiga menina que procurava sementes em sua melancia.

A ideia é que a câmera fotográfica não seja um objeto evasivo, isto é, que não invada a privacidade deles. Um bom contato inicial, demonstrando confiança, simpatia e amizade, mostrará para as pessoas que você não representa uma ameaça, e sim que está ali somente para conhecer um pouco mais sobre elas, sobre seus hábitos e costumes.

Festa em comemoração ao dia de Nossa Senhora da Candelária, Maca, Peru.

Desta forma, criando bons laços com as pessoas que cruzar, você poderá fotografá-las naturalmente, espontaneamente, criando imagens perfeitamente reais de seus traços, gestos e feições.

2 COMENTÁRIOS

    • Olá Alessandra, tudo bem?
      É um imenso prazer receber a sua mensagem no Terra Adentro!
      Então, neste caso, só colhemos a autorização da pessoa, caso tenhamos interesse comercial na foto.
      Todas estas fotos que fizemos foram com o objetivo documental. Desta forma, só pedimos a autorização verbal do fotografado e a foto se restringe para o uso unicamente pessoal ou editorial.
      Qualquer dúvida conte sempre conosco, Alessandra! =)
      Abraços dos amigos,
      Henrique e Sabrina.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here