Fomos embora de Cuenca debaixo de muita chuva. Por sinal, o Equador é um país que chove intensamente, muitas vezes por dias sem parar.

A estrada de Cuenca para Baños, nosso próximo destino no país, parecia ser incrível, repleta de paisagens espetaculares. Contudo, a forte chuva e a neblina nos impediam de ter uma vista panorâmica das cordilheiras que nos rodeavam, inclusive de muitos vulcões.

Aliás, nós estávamos cruzando, exatamente, a famosa Rota dos Vulcões, esta estrada que liga as cidades de Cuenca a Quito e passa ao lado de vários e gigantescos vulcões.

Muitos deles ainda ativos, enquanto outros se encontram adormecidos ou extintos.

Contudo, muito pouco pudemos ver, até o fim de tarde, quando a chuva e a neblina, repentinamente, se foram. Poucos quilômetros depois, coincidentemente, estávamos cruzando, lado a lado, pelo imponente Vulcão Chimborazo, o pico mais alto do mundo.

Mas, como assim, o pico mais alto do mundo?

Não é o Everest, a famosa montanha dos Himalaias, o mais alto pico do mundo? De fato, o Everest é a montanha mais alta do mundo, caso levemos em conta a medição em relação ao nível do mar.

Contudo, se analisarmos sob outra ótica, levando em consideração o formato Geóide da Terra (achata nos pólos e sobressalente no centro) e o fato de o Chimborazo estar situado exatamente no centro da Terra, bem próximo à Linha do Equador, isto o tornaria o pico mais alto do mundo, ou seja, a montanha que mais se sobressai em relação às demais.

Por muitos e muitos anos, o Chimborazo, com seus mais de 6.300 metros acima do nível do mar, fora considerado a montanha mais alta do mundo. Inúmeras expedições foram realizadas para explorá-lo, até que, mais tarde, se descobriram montanhas mais altas, levando em conta o nível do mar.

Entretanto, nada que tire o encanto que ele exerce sobre aqueles que o visitam. Cruzar algumas das estradas que o cercam, só nos deixam ainda mais espantados com o seu tamanho e com a forma gigantesca com que o Chimborazo se destaca na paisagem.

Pra todos os lados que se olha, as montanhas não passam dos três a quatro mil metros de altitude, enquanto o Chimborazo ultrapassa dos seis mil metros acima do nível do mar. É realmente impressionante como este vulcão pode ser avistado de longe e como o cenário ganha contornos mágicos com sua presença.

Um simples pôr do sol ao lado do imponente Chimborazo, se torna um momento para toda a vida.

Esperamos a noite cair para, então, nos despedirmos dele. Tivemos um dos fins de tarde mais fantásticos da viagem e, sem dúvida alguma, o mais inesquecível pelo Equador.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here