A nossa entrada na Nicarágua foi um tanto quanto tumultuada.

A fronteira que interliga o país com a Costa Rica é desorganizada, muito movimentada e repleta de estágios fronteiriços completamente desencontrados. As duas horas que passamos por lá foram muito desgastantes, mas, enfim, estávamos prontos para entrar no nono país da nossa Volta ao Mundo de carro.

Prontos para seguir viagem na Nicarágua, o nono país da nossa Volta ao Mundo de carro.

Já se passava das quatro horas da tarde quando chegamos na cidade de Rivas, o nosso ponto de partida para a Isla de Ometepe.

O fato é que pouco conhecíamos sobre Ometepe. Sabíamos previamente que esta ilha do Lago Nicarágua abriga dois vulcões, o Concepción e o Maderas, sendo o primeiro deles ativo e o segundo adormecido.

À esquerda, o Vulcão Concepción e à direita, o Vulcão Maderas.

No mais, partíamos para mais um daqueles destinos levados pelo vento, em busca de novas agradáveis surpresas.

Chegamos no porto bem no exato momento em que a balsa estava partindo. Entramos com o Mochileiro e logo nos acomodamos na proa do barco, posicionados de frente para os dois vulcões da Ilha.

A luz suave do sol, refletindo os alaranjados tons do fim de tarde, fizeram desta viagem até a Ilha um dos momentos mais inesquecíveis da América Central. Bem à nossa frente, navegávamos no segundo maior lago da América Latina, atrás somente do Titicaca, em direção à uma ilha que abriga dois vulcões. Era surreal acreditar no que estávamos vivendo este dia.

Mochileiro na balsa, navegando no segundo maior lago da América Latina, rumo à Ilha de Ometepe, que abriga dois vulcões. Simplesmente surreal!

Chegamos em Ometepe e logo partimos em busca de um camping. Recebemos a dica de um morador local, o Punta Resort, e fomos direto conferir. Com uma boa estrutura para camping e um preço excelente, nos acomodamos por três noites perfeitas por lá, na companhia de araras e de pores do sol inesquecíveis.

Os três dias que estivemos em Ometepe foram muito pouco para conhecermos todos os cantos da ilha.

As paisagens incríveis, como das piscinas naturais do Ojos de Agua, e a cordialidade da população local nos deixaram completamente apaixonados por Ometepe.

Piscina natural no Ojos de Agua, um dos lugares mais bonitos de Ometepe.

Em um destes contatos íntimos com os moradores da ilha, tivemos a oportunidade de conversar por horas com um índio da Tribo Nahua, os primeiros povos a habitarem Ometepe.

Segundo reza a lenda dos índios, uma antiga profecia dizia que eles deveriam deixar as terras onde se localiza, atualmente, o México e parar somente quando encontrassem duas montanhas dentro de um lago. Foi assim que, caminhando por muitos anos, encontraram a maior das ilhas do Lago Nicarágua e a batizaram de Ometepe, que significa duas montanhas.

De fato, a cultura dos Nahua é fantástica e seus conhecimentos são tão atuais como nunca.

Os três macaquinhos símbolos da cultura Nahua.

Os três macaquinhos enraizados na cultura Nahua, representados pelos artesanatos fotografados, simbolizam os três princípios básicos da cultura deles: 1) só dar ouvidos para o que, de fato, é importante para a sua vida; 2) só falar aquilo que diz respeito à sua vida, evitando pré-julgar os outros; 3) Olhar primeiro para si próprio, antes de olhar para os outros.

Impossível não se impressionar com a sabedoria dos Nahua, considerado um dos povos mais pacíficos de todas as Américas.

Mas nem só de história vive Ometepe. As suas casinhas simples e antigas, seu clima interiorano e a sensação de segurança são outros aperitivos que dão um sabor especial à ilha.

Pelas estradas da Ilha de Ometepe.

Seria muito dizer agora, pois ainda temos tanto o que conhecer na América Central, mas será difícil conhecermos um lugar que nos encantará mais que Ometepe.

Se dois vulcões em uma ilha, localizada no meio do segundo maior lago da América Latina, não forem o suficiente pra te convencer a conhecer este lugar, experimente o fator surpresa e dê uma chance para Ometepe, o nosso destino preferido na América Central.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here