Desde que entramos no México uma dúvida pairava sobre o nosso roteiro: por qual fronteira cruzaríamos para os Estados Unidos?

Existem inúmeras fronteiras no norte do México que conectam o país com os americanos, contudo cada uma delas cruza por regiões completamente distintas umas das outras, o que implicaria em deixar muitos lugares que gostaríamos de conhecer para trás.

Por qual caminho seguir?

Infelizmente, esta é a realidade de qualquer viagem que se planeje pelo mundo, ainda que ela dure por anos a fio: cada escolha que fazemos resulta em outros inúmeros caminhos que abrimos mão, ou seja, que deixamos de conhecer.

Quando estávamos na Cidade do México, tínhamos como praticamente certo que seguiríamos para a fronteira de Laredo, no Texas. Contudo, um e-mail que recebemos mudou completamente o nosso roteiro.

Era o Sr. Dari Desbesel, um verdadeiro apaixonado por Land Rover Defender, que estava morando em Guadalajara com sua esposa, a Jacqueline Desbesel, que havia sido transferida do Brasil para o México à trabalho.

Não pensamos duas vezes. Entretanto, esta mudança de rota, nos levaria a repensar a fronteira que cruzaríamos para os Estados Unidos, já que Guadalajara fugiria completamente da rota de Laredo.

Foi quando batemos o martelo no, até então, plano B: cruzaríamos para os Estados Unidos pela fronteira de Tijuana, na Baja Califórnia.

Para isto, seria necessário cruzarmos de ferry boat de Mazatlán para La Paz, a porta de entrada da Baja Califórnia. Desta forma, Guadalajara se encaixaria perfeitamente em nosso roteiro e, assim, poderíamos conhecer o Dari e a Jacqueline, além de termos a oportunidade de dirigir pelas terras fantásticas da Baja Califórnia.

Tudo definido, partimos em direção à Guadalajara.

No caminho da Cidade do México para Guadalajara, uns 150 km antes de nosso destino, ouvimos um forte barulho de estouro, como se o pneu houvesse se espatifado em milhares de pedaços.

Paramos o carro e logo começamos a verificar o que havia acontecido. Os pneus estavam intactos e, assim que levantamos o capô do Mochileiro, vimos que a mangueira da turbina havia se rasgado, liberando uma pressão enorme, que foi a causadora do barulho tão alto.

A situação que ficou a mangueira da turbina do Mochileiro.

O carro perdeu completamente a potência e chegamos em Guadalajara dirigindo a cerca de 30 a 40 km/h.

Contudo, não havia uma forma de sermos tão bem recebidos como fomos pelo Dari e pela Jacqueline, que se tornaram amigos que levaremos eternamente em nossos corações.

No alto, a Jacqueline e um grande amigo equatoriano. Em baixo, o Cássio, também brasileiro que vive em Guadalajara e o Sr. Dari, ao centro.

Por quatro dias estivemos juntos, trabalhando no Mochileiro, cozinhando e passando momentos inesquecíveis na companhia deste casal tão amável.

E o nosso problema com a turbina, logo foi solucionado pelo Dari, que é um grande entendedor de Defender. A mangueira perfeita nós não encontramos, mas logo tratamos de improvisar uma outra mangueira que, com muito trabalho, entrou e caiu como uma luva.

Trabalhando na instalação da nova mangueira da turbina.

Aliás, inúmeros outros trabalhos mecânicos fizemos no Mochileiro, montando uma verdadeira oficina em plena praça pública de Guadalajara. Muitos curiosos passavam e outros, apaixonados por carros, ficavam e, pouco tempo depois, já estavam trabalhando no Mochileiro junto conosco. Momentos muito marcantes, que nos deram a certeza que fizemos a escolha certa, de incluir Guadalajara em nosso caminho.

Dari, à direita, e o Allan, à esquerda, que se apaixonou pelo Mochileiro e, vez ou outra, deixava a obra que estava trabalhando para nos ajudar em diversos serviços em nosso carro.

A nossa data de travessia para a Baja Califórnia estava se aproximando e era hora de seguirmos rumo à Mazatlán.

Com as lágrimas incontidas, nos despedimos do Dari e da Jacqueline, certos que os veremos novamente, seja em Guadalajara ou no Brasil, quando todos nós voltarmos para casa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here