A fotografia noturna é um gigantesco universo para se explorar.

Primeiramente, porque a primícia básica da fotografia é a presença de luz, como o próprio nome já indica, ou seja, “desenhar com a luz”.

Assim sendo, fazer boas fotografias noturnas é uma tarefa difícil e demanda alguns conhecimentos técnicos e equipamentos específicos.

Para ilustrar melhor o que estamos dizendo neste post, vamos usar esta foto que tiramos em frente ao Vulcão Masaya, na Nicarágua, como exemplo.

Mochileiro em frente ao imponente Vulcão Masaya, Nicarágua.

O nosso carro, o Mochileiro, funciona como primeiro plano desta fotografia e foi clicado em uma situação com baixa incidência de luz, totalmente concentrada no plano de fundo, onde a intensa luz alaranjada dá sinais claros que a lava vulcânica do vulcão está à apenas poucos metros de profundidade.

Contudo, uma importante questão poderia ser levantada: como a luz, que está totalmente concentrada no fundo, poderia iluminar a frente do carro? Boa pergunta!

Neste caso, para clarear suavemente a lateral do carro, usamos uma pequena lanterna, que funcionou como nossa luz auxiliar, enquanto a longa exposição estava em andamento.

Se não tivéssemos utilizado a lanterna, possivelmente teríamos o fundo da imagem bem claro, em tons de alaranjado, enquanto o carro ficaria completamente na penumbra, pois estávamos fotografando no contra-luz, o que normalmente deixa o primeiro plano escuro.

Seria o mesmo que fazer a foto de uma pessoa contra o sol. Sem um flash auxiliar, normalmente se tem um céu muito claro e o rosto do fotografado escuro, já que uma forte sombra estaria sobre ele.

Assim, a lanterna funcionou como a luz de preenchimento e deu harmonia à foto, equilibrando o primeiro plano com o assunto principal, o Vulcão Masaya.

Para concretizar esta fotografia, utilizamos o excelente tripé da marca Benro Goclassic 2, em fibra de carbono, além de realizarmos a exposição ao longo de treze segundos, travarmos o espelho da câmera e selecionarmos a opção de redução de ruído para longas exposições.

O resultado final foi além do esperado, eternizando nesta imagem um dos momentos mais intensos que vivemos na América Latina.

COMPARTILHE
Artigo anteriorLas Vegas e o sonho americano
Próximo artigoA imensidão da natureza no Grand Canyon
Terra Adentro
Em outubro de 2016 partimos para a Expedição Extremos a bordo do Mochileiro, o nosso Land Rover Defender 110. O objetivo é visitar os lugares mais remotos dos cinco continentes, ao longo de três anos e meio, e contar tudo aqui no site.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here